Início / Arquivos de tags: spinoza

Arquivos de tags: spinoza

Laboratório Política e Pensamento (inscrições encerradas)

O que pode comandar afinal a vida humana? Em que sentido podemos exercer efetivamente a liberdade de nossa vontade, no contexto do capitalismo mundial integrado? Quem, no contexto do nosso presente, em nós ou fora de nós, decide em última instância nosso destino e o de nossas sociedades? A dimensão virtual de nossa vida escapa à consciência normal que temos dela. E quando não, nos vemos tão incapazes de nos servir dessa duração pura que a desprezamos como inútil e sobretudo inconveniente. No entanto, essa realidade abstrata e paralela não só não para de nos transpassar, como constitui a parte essencial de nossas vidas e das sociedades, e tanto nos provoca e condiciona, submete e assujeita, quanto mais nossos modos míopes de existir a negligenciam.

Ler mais »

Fuganti – Agenciamento

O conceito de agenciamento opera um duplo ultrapassamento em relação ao modo de pensar da tradição inaugurada pelo humanismo moderno: por um lado, destitui a ideia dominante de uma natureza humana a priori – cuja forma legitimaria o senso comum do sujeito do conhecimento, a partir da constituição de um modo superior de desejar, neutro e desinteressado; por outro, desqualifica a verdade dos valores universais extraídos ou descobertos a partir de um plano de objetos ideais em si, constitutivo do bom senso – plano pretensamente superior ao plano de natureza e das forças de produção das formações sociais (ainda banhado de paixões humanas interessadas e parciais por natureza), enfim, como fundamento que torna possível o conhecimento verdadeiro, imparcial e universal.

Ler mais »

Spinoza, por Henri Bergson

Spinoza nasceu em Amsterdã (Holanda) em 1632. Pertencia a uma família judia e inicialmente fez estudos puramente hebraicos. Mas ao aprender latim e ler Descartes, sentiu se desenvolver sua vocação filosófica. A sagacidade com a qual interpretou as escrituras levou à sua excomunhão pelos rabinos, que, graças a certas influências, conseguiram fazer com que ele deixasse Amsterdã. Spinoza se refugiou em Haia, onde viveu o resto de seus dias, inteiramente dedicado à meditação filosófica. Teve amigos ilustres e poderia ter obtido, com a ajuda deles, fortuna e honrarias. Recusou tudo isso para se manter independente. Pobre, mas protegido contra a miséria, ganhava sua vida talhando vidros de lentes de aumento. Morreu em Haia em 1677.

Ler mais »

Corpo, Linguagem e Máquina de Guerra

Provocar a descoberta das potências que operam no coração de nosso desejo, atravessando corpo e mente, e que tanto podem nos escravizar, ameaçar e destruir, como nos levar a produzir a dimensão autônoma, singular, diferencial e afirmativa de nós mesmos, tornando-nos capazes de tomar a vida nas mãos e criar o próprio destino. (...)

Ler mais »

Fuganti – Corpo em Devir (palestra transcrita)

Então eu dizia que nós vivemos geralmente de modo separado do que podemos, nós não sabemos muito bem mais o que é vivermos colados à capacidade de existir na sua abertura máxima ou, no mínimo, na sua abertura que faz a nossa potência crescer. Esse horizonte é cada vez mais ofuscado. Eu diria mais: que há uma instituição humana que investe cada vez mais na separação da vida do que ela pode; e falsifica o que é viver, assim como falsifica o que é pensar. E não se sabe mais da vida a não ser fora do imediato, a não ser fora do acontecimento, não se sabe mais da vida ativa, afirmativa, intensiva.

Ler mais »

Spinoza em Dois Movimentos

Dois encontros acerca da filosofia de Baruch Spinoza (1632-1677), que traçam as linhas afetivas das principais idéias relativas à prática de um novo modo de viver, criadas por este pensador, com relação ao desejo, às paixões, à servidão humana e à liberdade, e o que podem o corpo e o pensamento nos encontros que a vida produz neles conforme o modo de vida que se é capaz de criar para si (...)

Ler mais »

A Evolução Criadora

Cruzaremos conceitos de Bergson com os de Spinoza, Nietzsche, Deleuze e Foucault na questão do saber racional ou do pensamento simbólico como função da ação e/ou função de poder nas sociedades contemporâneas, disciplinares e de controle versus o pensamento intuitivo criador de valor (...)

Ler mais »