quarta-feira , 23 agosto 2017
Início / Arquivos de tags: micropolítica do desejo

Arquivos de tags: micropolítica do desejo

Laboratório Política e Pensamento (inscrições encerradas)

O que pode comandar afinal a vida humana? Em que sentido podemos exercer efetivamente a liberdade de nossa vontade, no contexto do capitalismo mundial integrado? Quem, no contexto do nosso presente, em nós ou fora de nós, decide em última instância nosso destino e o de nossas sociedades? A dimensão virtual de nossa vida escapa à consciência normal que temos dela. E quando não, nos vemos tão incapazes de nos servir dessa duração pura que a desprezamos como inútil e sobretudo inconveniente. No entanto, essa realidade abstrata e paralela não só não para de nos transpassar, como constitui a parte essencial de nossas vidas e das sociedades, e tanto nos provoca e condiciona, submete e assujeita, quanto mais nossos modos míopes de existir a negligenciam.

Ler mais »

Corpo, Linguagem e Máquina de Guerra

Provocar a descoberta das potências que operam no coração de nosso desejo, atravessando corpo e mente, e que tanto podem nos escravizar, ameaçar e destruir, como nos levar a produzir a dimensão autônoma, singular, diferencial e afirmativa de nós mesmos, tornando-nos capazes de tomar a vida nas mãos e criar o próprio destino. (...)

Ler mais »

Devires da Vida Forte: por Uma Política dos Afetos Ativos

O que são devires ? Devires ativos das forças de humanidades e as formas do homem que arrastam suas forças para um devir reativo. O que são rizomas? Somos todos rizomas (mesmo quando nossos modos de viver, sentir e pensar formam raízes fixas e sistemas sedentários); multiplicidades intensivas, relações nômades e singularizações além da norma. O que é cartografia? Cartografar: ato de traçar mapas de intensidade e criar linhas fronteiriças de passagem que efetuam e transmutam o desejo. Mapas do desejo e cartografias do pensamento como memórias do porvir. (...)

Ler mais »

Corpo Sem Órgãos

O Corpo sem órgãos enquanto corpo da potência e dos devires intensivos dos afetos, campo de imanência do desejo e o combate ao organismo ou à captura sensível dos órgãos e do corpo intensivo (regimes dos movimentos corpóreos nas sociedades contemporâneas). Os três mal entendidos cultivados por padres, psicanalistas e afins: falta interior como sujeito do desejo = castração; prazer exterior como objeto do desejo = masturbação; e fantasma ou ideal transcendente = gozo impossível que é o viver. (...)

Ler mais »

Mil Platôs e Esquizoanálise: Micropolítica e o Uso dos Afetos

Assim como os modos de usar a linguagem podem capturar, assujeitar e controlar o pensamento dos homens ao inseri-los em regimes discursivos, e produzir cadeias coletivas de expressão incorporais ou semióticas e os modos de usar a sensibilidade podem capturar, submeter e organizar as forças do corpo no seu acoplamento com um regime dominante de luz e sombra de uma rede microfísica de modulação de movimentos constitutiva do corpo da sociedade; assim também os modos de usar os afetos, isto é, os usos que se faz daquilo que acontece ao desejo nos encontros que experimenta e que o preenchem (...)

Ler mais »