O Cinema Nômade é um movimento que investe no pensamento crítico e criativo, na multiplicação dos pontos de vista de práticas culturais diversas e na descentralização de posturas e conhecimentos, e se materializa por meio de exibições de filmes pré-selecionados, cujas temáticas destacam e problematizam os modos da sociedade produzir desejo, subjetividade, corpo e conhecimento. Após a exibição do filme, o debate tem como objetivo oferecer aos participantes um meio vivo de criação de ideias acerca do modo de viver contemporâneo.

Postagens Recentes

Corpo Sem Órgãos

O Corpo sem órgãos enquanto corpo da potência e dos devires intensivos dos afetos, campo de imanência do desejo e o combate ao organismo ou à captura sensível dos órgãos e do corpo intensivo (regimes dos movimentos corpóreos nas sociedades contemporâneas). Os três mal entendidos cultivados por padres, psicanalistas e afins: falta interior como sujeito do desejo = castração; prazer exterior como objeto do desejo = masturbação; e fantasma ou ideal transcendente = gozo impossível que é o viver. (...)

Ler mais »

Biopolítica, Governamentalidade e o Cuidado de Si em Foucault

Desconstrução do sujeito e do objeto natural do conhecimento. Traçado de algumas das formações de poder e saber ocidentais cujos sujeitos, objetos e formas de conhecimento emergem no quadro de suas relações de força, simultaneamente como produtos e meios do exercício e da cadeia de transmissão e continuação do poder constituinte do tecido social. (...)

Ler mais »

Fuganti – Corpo em Devir (palestra transcrita)

Então eu dizia que nós vivemos geralmente de modo separado do que podemos, nós não sabemos muito bem mais o que é vivermos colados à capacidade de existir na sua abertura máxima ou, no mínimo, na sua abertura que faz a nossa potência crescer. Esse horizonte é cada vez mais ofuscado. Eu diria mais: que há uma instituição humana que investe cada vez mais na separação da vida do que ela pode; e falsifica o que é viver, assim como falsifica o que é pensar. E não se sabe mais da vida a não ser fora do imediato, a não ser fora do acontecimento, não se sabe mais da vida ativa, afirmativa, intensiva.

Ler mais »

Mil Platôs e Esquizoanálise: Micropolítica e o Uso dos Afetos

Assim como os modos de usar a linguagem podem capturar, assujeitar e controlar o pensamento dos homens ao inseri-los em regimes discursivos, e produzir cadeias coletivas de expressão incorporais ou semióticas e os modos de usar a sensibilidade podem capturar, submeter e organizar as forças do corpo no seu acoplamento com um regime dominante de luz e sombra de uma rede microfísica de modulação de movimentos constitutiva do corpo da sociedade; assim também os modos de usar os afetos, isto é, os usos que se faz daquilo que acontece ao desejo nos encontros que experimenta e que o preenchem (...)

Ler mais »

Nietzsche e a Invenção da Moral: uma Genealogia do Bem e do Mal

Fundamental para o entendimento da filosofia da diferença, a obra Genealogia da Moral é um acontecimento decisivo para quem quer experimentar e praticar uma mudança essencial nos modos de viver do homem. O curso é destinado tanto àqueles que já conhecem Nietzsche quanto àqueles que ainda dele não se aproximaram ou mesmo que não conhecem a própria filosofia da diferença (...)

Ler mais »